origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2005

E agora?


" 'Deixar morrer' é ou não o mesmo que eutanásia?

Parecer do Conselho de Ética instaura polémica entre médicos portugueses

Ao admitir a suspensão de alimentação e hidratação em doentes em estado vegetativo persistente (EVP), desde que seja essa a vontade do próprio, previamente expressa ou "presumida", e ao consagrar o carácter soberano da vontade individual, o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) abriu a discussão sobre a questão da eutanásia em Portugal. (...)" In DN ONLINE, 24/02/2005



Por mais que tente (e acreditem, eu tento), não consigo evitar a perplexidade que me invade quando me deparo com esta questão.

Na minha perspectiva, a eutanásia é um recurso que todos os seres humanos devem ter direito a utilizar, em determinadas circunstâncias. Quando a vida já não apresenta o mínimo de qualidade, ou de autonomia relativamente a assistência médica, e, em consciência, alguém deseja terminar a sua viagem por estas bandas, não me parece justo negá-lo.


O caso, aqui, não é bem este. Mas tem muitos aspectos em comum.

É relativamente fácil, aceitar que a medicina sirva a vida. Qualquer pessoa pode compreender que, em termos éticos, o suposto é potenciar a vida, seja em que condições fôr.

Mas, da mesma forma que se dá ao doente um termo de responsabilidade, permitindo-lhe assim não receber um tratamento que pode salvar-lhe a vida, deveria ser atendido todo e qualquer desejo expresso, nesse sentido - e, como disse anteriormente, em consciência -, por quem nada mais terá, ao longo dos seus dias, que actividade cardíaca.


O estado vegetativo persistente, note-se, não é uma simples lipotímia (ou desmaio, se preferirem). Será ético manter, artificialmente, a vida de quem não sairá desse estado, por muito tempo que "viva"?


Como sempre, admito a hipótese de não estar a analisar todos os aspectos que este assunto, muito complexo, comporta.

É por isso que vos peço que reflictam um pouco, e me deixem os vossos comentários.
publicado por S às 17:08
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 02:26
Para mim a questão é simples. Há viver e há sobreviver. Ninguém deve ser obrigado a sobreviver se não tiver vislumbrar hipóteses de voltar a viver. Há coisas que ninguém deve ser obrigado a suportar.Calvin
(http://ummundomagico.blogs.sapo.pt)
(mailto:o.calvin@sapo.pt)
De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2005 às 00:48
Concordo plenamente. Acho que é uma questão de dignidade. e respeito pelo nosso semelhante - e em última análise, por nós próprios. Acho mesmo que nos direitos do Homem devia ser instaurado paralelamente ao direito a viver com dignidade, o direito de ter uma morte com dignidade.angelkitten
(http://www.donadecasa.blogs.sapo.pt)
(mailto:angelcat@netvisao.pt)
De ... a 22 de Dezembro de 2009 às 01:24
...

Sentir o inverno flutuando em proximidade ás camadas mais ásperas,
mas sem atingir a máxima sedução.

Esse desejo vermelho-sangue que não ambiciona a satisfação,
apenas o conforto momentâneo dessa liberdade contida e fracionada.

Movimentos selvagens, intensidade estonteante,
em cada lado dessas paredes rachadas.

Prosseguir e moldar uma nova cicatriz,
um caminho para que eu possa sentir que a vida ainda flui abaixo dessas ruínas.

...

Comentar post