origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010

É fazer as contas

53 é o número médio de abortos "legais", feitos diariamente em Portugal.

Tendo em conta que, em média, apenas uma em cada cinco fecundações
resultam em evolução para gravidez e a faixa etária da população que
mais tem aumentado é a de pessoas com mais de 65 anos, temos que:

Ou o nosso país tem um azar fenomenal com o uso de contraceptivos...
ou enlouquecemos de vez.

Não sei porquê, mas aposto na última.
publicado por S às 16:22
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De aindateamo a 23 de Dezembro de 2010 às 18:14
Eu também aposto na última. Nessa e na falta de responsabilidade da maior parte dessas pessoas.
De NãoNãotemblognosapo a 24 de Dezembro de 2010 às 11:41
Um tema Natalício...
Alguma mulher fará um aborto de animo leve?
Deve ser um pouco mais desagradável do que ir ao dentista...
É fácil usar anticoncepcionais?
Uma relação sexual é um acto bem complicado.
Quantas emoções estão envolvidas?
Não se está só a arriscar engravidar. Também há o problema da SIDA, etc.
E apesar de tudo as pessoas às vezes não são capazes de fazer melhor.
Quem somos nós para atirar a primeira pedra?
De S a 24 de Dezembro de 2010 às 17:16
É por essas e por outras que Mundo está com está.
Não me lembro de alguma vez ter dito que sou contra o aborto de uma forma fundamentalista.
Não sou contra o aborto. Cada um sabe de si.
Sou contra facto de se fazer do aborto uma intervenção legal.
IVG é crime. E é crime tanto no caso de a gravidez ter ocorrido por descuido como no caso de risco de vida para a mãe, ou fruto de violação.
É apenas o grau de culpa que varia.
Quem o faz, sujeita-se às consequências. Ou devia sujeitar-se. A todas.
A mim também me custaria mais matar uma pessoa, ainda que em legítima defesa, do que ir ao dentista (apenas para seguir o exemplo dado, porque até nisso tenho sorte. Nem ideia faço do que é uma dor de dentes.)
Por matar em legítima defesa deixa de ser crime?
É esse o ponto.
Essa desculpa é gira... Ah, e tal... são muitas emoções, o pessoal é jovem e não pensa...
OK. Também já me aconteceu. Três vezes, até. :)
Acção=Consequência
Onde é que está a dificuldade?
Feliz Natal!
De on a 27 de Dezembro de 2010 às 12:22
Acção=consequência...
Quando eu dou um murro nos queixos de alguém doí-me quase tanto a mão como doí ao queixo da pessoa. Até corro o risco de partir a mão. Aqui sim, Acção=consequência.
No caso do aborto, a única consequência é a enorme perda que a pessoa provavelmente vais sentir, mais cedo ou mais tarde. A menos que seja uma psicopata.
O que é raro.
As outras consequências que consideras como "consequências" não o são propriamente. Pelo menos no sentido de leis naturais. E haveria algum outro sentido?
São as consequências que tu gostarias que o fossem.
E com este comentário dou por terminada a minha intervenção neste tema.
De S a 27 de Dezembro de 2010 às 17:43
É sempre bastante complicado discutir um assunto com alguém que parte do princípio de que não tem nada a aprender connosco e que é dono da verdade... :)
Se a tua mente estivesse receptiva, colocarias a hipótese de estares a interpretar alguma coisa menos bem.
Acção » Consequência, tem a ver com o facto de que uma relação sexual, protegida ou desprotegida, resulta sempre em alguma coisa. É uma acção, logo, tem consequências. Às vezes, a consequência é não acontecer absolutamente nada.
Tenho muitas vezes a sensação, quando falo com pessoas que pensam como tu, que a gravidez é tida como uma espécie de peste, que se apodera das mulheres por osmose, ou alguma coisa do género.
Há contraceptivos que não obrigam a racionalizar num momento mais impulsivo.

Falando das consequências que tu achas que eu acho que deviam ocorrer: Não é preciso ser psicopata para se sentir alívio quando nos livramos de um problema.
Há muita gente que, como tu, se recusa a olhar para um zigoto, uma mórula, ou mesmo para um embrião e ver ali um ser humano completo em potência.
É muito fácil equacionar a hipótese de o eliminar, se nos for conveniente.
Até há uma justificação maior e tão nobre... "Antes agora, que nem sente, que é quase nada, do que depois ser rejeitado, maltratado ou passar fome."

Vamos fazer um jogo muito simples:
Conheces alguma mulher para quem tenha sido fácil (a palavra é mesmo esta) fazer um aborto?
Eu conheço.
Das que fizeram 3 ou 4 de seguida. Das que disseram "Que chatice, outra vez?! Pensei que estava protegida durante uns tempos, com a curetagem anterior."
Das que já tinham filhos e depois de 3 ou 4 abortos ainda tiveram mais filhos. Só não dava jeito antes.

Mas ainda bem que não tens nada a aprender comigo. Ainda bem que vives num Mundo muito melhor do que o meu. :)
De S a 25 de Dezembro de 2010 às 12:51
Feliz Natal! :)
De produzione sperma a 5 de Janeiro de 2011 às 14:59
Este texto bonito. escrever é uma terapia natural que nos ajuda não só para lançar luz sobre os problemas, mas também para superar

Comentar post