origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009

Chegou o momento...

 

                  

                  Feliz

 

 

                 Natal

 

 

            para todos.

 

 

          Até para mim 

   

                    I

                    I

publicado por S às 16:50
link do post | comentar | favorito
20 comentários:
De ... a 24 de Dezembro de 2009 às 01:46
Perguntei a ela o que eu poderia oferecer em troca pelo presente e pelos conselhos, pelo que, ela perguntou: “O que um plebeu teria a oferecer a uma Rainha?”. Ela estava certa, eu não carregava nada além do meu próprio corpo e dos meus pensamentos. O que eu poderia oferecer-lhe? Sou apenas um homem simples caminhando descalço. Senti-me constrangido, mas perguntei: “Teria algo que eu pudesse fazer para Vossa Majestade?”. Logo percebi que a expressão no rosto dela deixou de ser amistosa e ela falou de forma ríspida: “Longa parece ter sido a sua jornada até aqui. Então o tempo deve estar sendo conivente com as suas escolhas. Não tente antecipar o que o amanhã lhe reserva. Meu criado irá servir-lhe algo para comer e depois irá levá-lo a um dos aposentos. Descanse, pois ao nascer do sol, tu não serás mais bem-vindo neste castelo”. E prontamente se retirou por uma porta lateral. Logo apareceu um dos seus criados e pediu que o seguisse, era um dos seus anjos. Fiquei surpreso, não sabia que anjos falavam, embora tenha aprendido sobre a existência deles ainda na infância. Ele fez exatamente o que a rainha havia dito. Serviu-me o que comer e levou-me a um dos aposentos do castelo. Sentia-me cansado, e após o banho, deitei e adormeci. Dormi um sono profundo, embora dormir em um local onde havia um Demônio não fosse sensato. A noite fluiu despercebida. (...)
De ... a 24 de Dezembro de 2009 às 01:46
Despertei ao som de aplausos. Assustado, olhei para os lados, mas não havia ninguém. Percebi que eu estava em uma arena oval, sentado em uma das fileiras de pedra. Como mágica, não era dia nem noite, o céu estava simetricamente dividido. Mas no centro da arena estava sendo realizada uma apresentação e eu parecia ser o único espectador. Havia seis componentes, cada qual com uma fantasia diferente. Observei com mais atenção e percebi que um deles representava o Sol, outro a Lua, um deles as estrelas e outro o tempo. Também havia um Rei e uma Rainha, que na apresentação, ficavam sempre no centro em relação à posição dos demais componentes. Dançavam em movimentos sincronizados e interagiam entre si. Somente o Rei e a Rainha não se tocavam. (...)
De ... a 24 de Dezembro de 2009 às 01:47
Em um dos atos, todos os personagens se deitaram, o rei se ajoelhou e a rainha permaneceu em pé à sua frente. Então começou a ventar, cada vez mais forte, e, aos poucos, tudo ao redor começou a se desfazer em areia. Senti que também estava desmanchando juntamente com o todo. Percebi que a caixa que havia me sido presenteada estava ao meu lado. Somente ela parecia não sofrer as influências do vento. Então reuni um pouco da areia que escorria do meu próprio corpo e um pouco da areia da arena e dos personagens. Abri a caixa, com o fito de guardar um pouco da areia, antes que tudo se dissolvesse. Mas, para o meu espanto, dentro havia uma ampulheta e a sua areia estava chegando ao fim. Senti que antes que o último grão tocasse o fundo dela, eu necessitava captar a essência desta miragem, pois as cortinas estavam se fechando e o elenco estava retrocedendo. Ela seria apenas fruto da arte da ilusão? Estou em um carrossel animado? Ou é um devaneio risonho? É um circo? Preciso pintar minha máscara. Estou pintando minha máscara. Alguém sorria por mim, não há nada mais cativante.

...
De ... a 24 de Dezembro de 2009 às 16:27
– LUXUOSO BANQUETE – (25/12/2009)

Hoje é o grande dia!
Hoje é o grande dia!
A festa vai começar
e eu sou o artista principal,
juntamente com o Jesus de metal.
Ou seria de plástico? Ou barro?
Segundo o Vaticano ele haveria de ser de ouro
e cravejado com pedras preciosas.
Vamos soprar a poeira!
Vamos encher as taças!
Nem mesmo o cinza do céu
pode manchar um dia planejado com cuidado.
A alegria transborda,
flutua até o olhar.
É um instante mágico!
Já posso sentir a euforia fluindo nas veias!
A platéia se aproxima
e é tão confortante sentir o calor humano.
Manifestações de carinho e apreço
compartilhadas até o limite.
O amor vem em caixas
e é tão bom sentir essa comodidade.
Então vamos celebrar!
Cantar!
Dançar!
Sorrir!
Saciar a sede e a fome!
Falar sobre o passado e planejar o porvir!
Somos tão dinâmicos!
É tudo tão magnífico!
Impecavelmente organizado!
Então um brinde ao salvador!
E um brinde ao Papa também!
Um brinde aos Estados Unidos da América,
à toda a Europa e à África também!
Um brinde aos produtos da China!
Um brinde à Dubai!
Um brinde aos políticos do Brasil!
Um brinde à todos nós!
E à compaixão!
À humanidade!
É divino!
É o êxtase!
Sirva-se neste luxuoso banquete.
Vamos brindar outra vez!

...

Comentar post