origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Segunda-feira, 5 de Março de 2007

Hipoglicémia

"Fechaste as portas do teu mundo
Na esperança de ele se encontrar
Vais contando o tempo, quase ao segundo
Parece não querer passar
Fazes de conta que está tudo bem
E andas às voltas quando estás a sós
Gritos mudos que só tu entendes
No profundo silêncio
Que é a tua voz
 
Não precisas de te esconder
Ninguém te vai encontrar
O que está escrito na tua pele
Só tu, para o decifrar
 
Um quadro teu
Traço a pincel
A história 
Da tua vida
Escrita, sentida, tatuada na pele
Quem lá escreveu
Com a tua permissão
Nem sequer, nem sequer percebeu
E perdeu 
Passou-lhe a pele por entre as mãos (...)"
Adiante.
publicado por S às 23:38
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De anonimo e desconhecido a 6 de Março de 2007 às 19:36
Nunca me tinha apercebido da intensidade do poema, mas de facto a musica (banda) pode vulgariza-lo, eu diria mesmo criar até aversões.
É, por vezes a vida passa-nos completamente ao lado e depois....
Boa Noite Sofia .

De S a 7 de Março de 2007 às 09:54
Ouvi a música por acaso e nem captou a minha atenção, no início. Foi um pormenor que me fez procurar a letra: a palavra "pele", quando a ouvi.
Como em tudo na vida, a letra fez sentido apenas quando eu quis que o fizesse.
A vida não nos passa ao lado quando chegamos à conclusão que passou mesmo. É isso que importa. É a partir daí que começa a contar. Nada acontece por acaso. Porque quando cada um de nós assume que alguma coisa aconteceu, é porque admitimos que esse acontecimento tem valor para nós. A vida acontece para a frente, não para trás.
Bom dia, anónimo e desconhecido. :)
De anonimo e desconhecido a 7 de Março de 2007 às 19:28
Em poucas palavras aprender com a experiencia e quando se fecha uma porta abre-se uma janela, sem querer cair no cliché, claro.
Boa Noite Sofia :)
De S a 7 de Março de 2007 às 20:30
"Em poucas palavras"? Porquê?
Sempre gostei de muitas palavras. :)
Boa noite, anónimo e desconhecido.
De Carmen a 8 de Março de 2007 às 17:11
Olá Sofia,
um texto daqueles que eu gosto tanto... como não vivo em portugal não conheço nem a banda nem a musica mas as palavras ecoam-me cá no fundo; e é para quando um poema teu?? Eu até sei que tens por aí a bailar-te na cabeças montes de palavras doidinhas pra se alinhar em verso, é só dares a ordem!!
Beijoca
Carmen
De S a 9 de Março de 2007 às 01:40
:) Vou enviar-te a música. Como, não sei. Mas vou enviar. :)
Poema meu? Ainda não. Estou bloqueada. :)
De Carmen a 9 de Março de 2007 às 15:19
Vou adorar com certeza, no msn existe a possibilidade de partilhar ficheiros com os contactos da nossa escolha... é só abrir o dossier, por lá dentro a musica e prontos!!
beijoca

Comentar post