origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Não digam nada. Podia ter-me dado para muito pior.

                                      OU                                      

Tenho andado a pensar.

E depois acontecem coisas destas. Quando penso.

Na vida, há duas formas (Esta parte não tem a ver com o facto de pensar. É apenas por andar a acordar cedíssimo.) de... (Mas porquê duas? Porque me dá muito mais jeito, claro. Se eu dissesse três, seria necessário dar três exemplos. E como só há dois tipos de velas...)... onde é que eu ia...?

...

 

Ah, já sei. Tenho acordado cedíssimo e adoro motores. De carros.

E de vez em quando também penso. Nesses momentos, chego a comparar o funcionamento de dois tipos de velas com o funcionamento das pessoas.

Já agora, sou uma vela de motor a gasolina. Era de diesel, mas regredi.

Acontece.

                                                   

publicado por S às 21:33
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Pêndulo a 28 de Setembro de 2006 às 21:01
Dado que essa vela faísca será bela a luz da vela. Faísca e dorme, quem vela o sono da bela vela ? Será que o olhar da vela bela se vela quando não dá faísca ? Compreedo agora porque tinhas um iate a motor e não o iate à vela ; porque é bela a faísca da vela mesmo quando o seu olhar se vela, talvez por não ter um barco à vela e assim ninguém, no mar, a vela, á luz da vela .
De S a 28 de Setembro de 2006 às 21:45
Ena! Tu percebes disto!! :)
É precisamente esse, o sentido da coisa. A faísca.
A incandescência foi substituida.
Tem as suas vantagens... :)
De M a 29 de Setembro de 2006 às 13:28
Como vão os passaritos e a escolinha?
De S a 29 de Setembro de 2006 às 21:22
:) Em alto vôo e a chilrear, M.
Uma delícia.
De Carmen a 30 de Setembro de 2006 às 10:28
Ena... que vela (desculpem... lapso, queria dizer bela!!) troca e baldroca de palavras do teu amigo pêndulo... parece que com tanta faísca pêndolou de vez!!!! Que graça, a comparação que fazes...vem-te cada ideia à cabeça!!!!!!!!!! Mas bom, fez-me reflectir sobre qual tipo de vela serei... mas não encontrei; será que o meu carro nem sequer tem motor, talvez tenha cá dentro um daqueles carros de bois...à antiga!! Será??????? Ui...ui...ui...
De S a 1 de Outubro de 2006 às 00:25
:)
O Pêndulo é assim. De vez em quando, mas mesmo muito de vez em quando, lá pensa qualquer coisa e saem , às vezes - não é em todas, mas em algumas vezes -, umas ideias mais ou menos (nem muito, nem pouco. mais ou menos, apenas) assim. :)
***
"Não tem motor"??! Como "Não tem motor"?!
Toda a gente tem motor.
E toda a gente é uma vela, Carmen! :)
Acho que és diesel. A tua poesia fala-me mais em incandescência do que em faísca. Mas é o que eu acho, apenas.
:)
De Carmen a 1 de Outubro de 2006 às 20:49
Obrigada pelo Diesel... pela incandescência!!!!!
Falas-me da minha poesia, quer isto dizer que vens ao meu blog ler-me? Se sim... então és uma MAROTA... porque não deixas nem rasto da tua passagem!!
Não mereço um comentariozito de vez em quando??
De S a 1 de Outubro de 2006 às 21:56
Deixo sempre rasto da minha passagem.
Mas não é pelo facto de não ir com tanta frequência como gostaria que deixo de ter presente, na minha memória, a tua poesia.
A partir de agora vou comentá-la sempre. É uma promessa. :)
De Carmen a 30 de Setembro de 2006 às 10:32
Quanto aos passarinhos, que encanto quando chilreiam alegremente!!!!!!!!!!
De S a 1 de Outubro de 2006 às 00:28
Encanto, sim.
Felicidade. Orgulho. Admiração. :)

Comentar post