origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

Vamos lá então, actualizar isto...

Estou a reviver os tempos de escola, quando adorava tudo o que carimbasse qualquer coisa, fazia colecção de folhas (não. não eram folhas de árvores. podem concluir o vosso raciocínio com a palavra "doida", podem) e mordia as borrachas porque tinham formas de frutos ou cheiravam deliciosamente...

 

Bons tempos.

 

Se bem que... pensando melhor... aquela história de não me emprestarem as canetas de feltro porque eu as estragava com a fúria de pintar...

 

 

publicado por S às 11:49
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Anónimo a 20 de Setembro de 2006 às 00:56
é no regresso ao passado que sentimos as cores e os sabores daqueles tempos que julgamos vulgares e mais tarde , tornam-se unicos .... e acabamos por voltar a vive-los como se tivesse sido hoje... como se um carimbo se trata-se!
De S a 20 de Setembro de 2006 às 11:14
:)
Mas sabes que o passado é o passado, não sabes?
E sabes que nada permanece tanto tempo adomercido e desperta tão rápidamente sem um motivo qualquer, não sabes?
Sabes que motivo é esse?
Pensa nisso.
Abraço :)
De Anónimo a 21 de Setembro de 2006 às 22:18
Pq o passado nunca deixou de estar presente... pq existem momentos em que o futuro-presente sobrepõe-se a certos assuntos do "passado"... e esta repentina aproximação que falas , é fruto de excesso tempo perdido que um dia resolvemos faze-los despertar!
De S a 22 de Setembro de 2006 às 10:30
Tem de haver outra explicação. Tudo tem uma explicação racional. E esta, que me dás, não é minimamente racional. O tempo, quando é muito, tem a capacidade de nos fazer arrumar sentimentos na gaveta da ternura, ou na do carinho. Mas nunca de intensificá-los. Não quando é muito tempo. Mesmo muito tempo. Não pode ser.
A não ser que, por um momento que seja, olhemos para um adulto e vejamos o adolescente que foi. Mas só por um momento. Porque o tempo faz-nos mesmo crescer, não há hipótese. :)
Acredito que o motivo está mais no passado muito próximo do que no distante.
De JL a 21 de Setembro de 2006 às 18:33
Na, na... Não digo nada que és doida. Se o fizesse arriscava-me a que dissesses que era um problema congénito e hereditário. Não me vou arriscar a isso não. Depois tinha que ir a correr marcar uma consulta para mim também. Na, nem penses.... Beijocas
De S a 22 de Setembro de 2006 às 09:59
:) Não disfarces. Toda a gente sabe que temos o mesmo médico. É o chamado "Médico de família".
Mas ele não conta a ninguém que temos os mesmos genes especiais. :)

Por isso, podes chamar-me doida à vontade... mas com jeitinho! :)
Abraço
De M a 25 de Setembro de 2006 às 09:44
:-)

Comentar post