origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Domingo, 30 de Julho de 2006

Azeitona

 

Nem perguntem...

A partir de agora, qualquer palavra que insista em não sair da minha cabeça, tem o destino traçado.

 

Com esta, ainda tentei negociar. Mas depois de perceber que, em vez de ajudar a eliminá-la estava a pensar ainda mais, e em mais pormenores relacionados com ela (chegando ao cúmulo de me exigir que pensasse numa azeitona preta), desisti.

Comi algumas, escrevi a palavra aqui e pronto.

E...

(Talvez seja melhor deixar esta parte para outra altura... até porque os médicos devem estar todos de férias. Convém não dar ênfase a ideias destas.)

 

Mas já repararam?

Azeitona

 

Que palavra deliciosa.

publicado por S às 00:47
link do post | comentar | favorito
8 comentários:
De Carmen a 30 de Julho de 2006 às 10:25
E pronto Sofia... já percebeste o princípio das palavras que nos trotam na cabeça sem sabermos muito bem porquê!!!! Sabes que isso tipo de palavras insistentes, persistentes estão na origem dos melhores livros, dos mais belos poemas...
Por isso, não deixes nunca de lhe dar ouvidos... nunca sabe, pois nâo!!??!!
BJOS
De S a 30 de Julho de 2006 às 17:05
:)
Na volta, isto é um sinal para escrever um livro sobre... agricultura? :)
Ou talvez um poema sobre... o Alentejo! Claro! :)

Eu sei de onde vem esta palavra. E é curioso, por um lado, mas assutador por outro. O lado esquerdo é o assutador. (E depois, esta mania insuportável de me sairem metáforas, alegorias, sentidos figurativos... O lado esquerdo é o lado do coração. Podia ter dito isto, em vez de apenas... enfim!) :)

Eu nem tenho tenho tempo de lhes dar ouvidos, Carmen. Elas chegam e, sem pedir licença, já têm lá os sentidos todos. :)
Não me chateia nada que as palavras e as ideias surjam assim, em código. Como são minhas, percebo-as logo. O problema, é que depois tenho de as descodificar de uma forma que não torne a coisa demasiado evidente. Por uma questão de reserva pessoal. Neste caso, da azeitona, era completamente impossível. Valeu-me o facto de a própria palavra ter uma fonética muito agradável. :)

A ti, acontece como? É uma ideia, ou também aparece apenas uma palavra, à volta da qual vais tecendo o poema?
De Carmen a 31 de Julho de 2006 às 11:20
Ui Sofia... a pergunta que me foste fazer????
Vamos lá se te consigo responder mais ou menos resumidamente, senão não é hoje que saimos daqui!!
Então é assim... eu sou completamente assediada por todos os meus sentidos, uma palavra que se ouve, um gesto que se vê, um livro que se lê, uma emoção que se sente, algo que se vive... como te posso dizer??? Acho que a vida em geral é fonte de inspiração, e depois é como tu dizes, quando a ideia ou palavra se instala em ti e se agarra ao teu cérebro com unhas e dentes, não tens outro remédio que aceitar ser o seu "instrumento"... é a ideia que te utilisa para ser posta em prática e não o contrário!!!!!!!!!!!!!!!! Não sei se o que eu digo terá alguma lógica mas é assim que as coisas se passam comigo...
Logo me dirás se contigo é diferente!?!
BJOS
De M a 1 de Agosto de 2006 às 18:04
Azeitona com broa, azeite, bacalhau à lagareiro. Hum! Que bom! :-)
De S a 3 de Agosto de 2006 às 01:21
Azeite, azeite... e broa! E bacalhau... à qualquer coisa! É sempre óptimo. Assado. Delicioso! :)
De S a 3 de Agosto de 2006 às 01:16
:) É semelhante. Nunca escrevi ou pensei em alguma coisa com o objectivo de construir. Parece que aparece já feito, envolto em nevoeiro. É só olhar lá para dentro e puxar cá para fora, que é como quem diz, ir pensando em palavras ou frases e ver com quais delas o nevoeiro desaparece.
Com palavras, é das primeiras vezes. Normalmente eram ideias sobre momentos, emoções.
Agora aparecem azeitonas! :)
E quanto tempo até chegar ao resultado final, normalmente?
Bjs
De M a 1 de Agosto de 2006 às 18:02
Estou a gostar imenso deste vosso diálogo. Tens a simplicidade em ti, Sofia. Que maravilha! E essa tua amiga é uma ternura.
De S a 3 de Agosto de 2006 às 01:25
Oh, M. ... :) A simplicidade. Tão bom ouvir isso. :)Sempre me disseram que sou complicada. E eu estava a começar a acreditar.
A Carmen é uma ternura, sim. Absolutamente de acordo. :)

Comentar post