origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2005

Bem sei que o titulo do artigo do meio, do dia 15, fazia muito mais sentido aqui... (Já sei...) Machista?? EU??!! Aperfeiçoada, talvez... - 2ª Via

motley20183089050215.gif


Acabei de saber que a Spooky, a tal cadelinha que foi vítima de negligência contraceptiva, tem seis cãezinhos, à espera do fim do mês para nascerem. Quatro, já têm dono.
Vá láááááá...!! Só faltam dois...

................................................................#.................................................................


Depois de ler o editorial da Máxima, e a crónica de Alçada Baptista, ocorreu-me dissertar.
No geral, concordo com tudo o que foi escrito - ou, como diria AC, com a totalidade de Laura Luzes Torres e com a totalidade de Alçada Baptista. (A propósito, continuo sem saber se o ilustre AC concorda, ou não, com a minha posição...) :)


Mas há uma questão, quanto a mim, assaz importante, que nunca vejo referida nas várias abordagens a este tema.

É um facto, que a emancipação feminina tem a sua génese nas atitudes feministas, no empenho das mulheres em levar a cabo a conquista da igualdade de direitos.

MAS, meus amigoszzzzzzz... hmmm!... Acajo bos ocorre, ainda que pontualmeinte, que a educação dos homeszzzzzz, e a manutenção de atitudes catalogadas como machistaszzzzz, são da responsabilidade das mulhereszzzzs? Hmm?! Ah, poiszzzzz é...!

Não querendo tirar o mérito a quem contribuiu, fosse de que forma fosse, para que hoje possamos votar e ocupar cargos importantes na sociedade, não vejo a situação actual únicamente como uma conquista feminina. Vejo-a, também, como tendo sido uma possibilidade, aberta pelos homens que, inteligentemente (diga-se de passagem e em abono da verdade), perceberam a igualdade (e até a superioridade, eventualmente) de capacidades das mulheres.


Agora..., não me venham com coisas...
A diferença entre homens e mulheres é saudável e exigível, sob pena de nos tornarmos, todos, pseudo-homossexuais. (eu, pelo menos, virava mesmo! Mal por mal, prefería aturar uma mulher. Sempre me lavava a loiça como deve ser, de vez em quando.)

Sou completamente contra as atitudes que transformam as mulheres em seres acéfalos, desprovidos de vontade própria. Mas isso não quer dizer que ande por aí a queimar soutiens (até porque dão imenso jeito, quando se salta...).


Quanto ao artigo da Máxima que pretendia comentar, há dois ou três dias atrás, ele aqui está:


Como sabem (e ai de alguém que não saiba!), no post (não sou muito dada a estrangeirismos, mas estou cansada de escrever "artigo", neste arti... post!) do dia 3 de Fevereiro mencionei uma característica minha, relacionada com o perfeccionismo.

Apesar de não me ter revisto no artigo da revista (cá estão o masculino e o feminino a disputar a liderança), senti-me picada, e até, imaginem!, indignada, com algumas ideias que o mesmo transmite.

"(...) Quando há uma grande distância entre aquilo que nós consideramos ser - o ideal do eu - e aquilo que almejamos ser - o eu ideal -, a pessoa nunca está satisfeita. Mesmo quando atinge objectivos e tarefas às quais se propôs - em geral importantes e que até levam ao amadurecimento -, não se sente feliz ou realizada e vive em constante desilusão"

Eu não sou psicóloga (a autora destas frases, é-o), mas tive formação nesta área, e parece-me abusivo transmitir a ideia de que o "ideal do eu" e o "eu ideal" são, na maioria das vezes, incompatíveis. Além disso, não vejo como consequência obrigatória, a desilusão por almejarmos muito mais do que aquilo que possuímos.

Alguns parágrafos depois (parágrafos uma ova! Nem um vi! Mas não posso falar muito, porque também não os ponho aqui... - isto é o que, usualmente, se designa por "perder uma excelente oportunidade para estar calada"), pode ler-se:

"(...) A perfeição passa então do sentido estático ao dinâmico. A questão está não na busca da perfeição mas num aperfeiçoamento. (...)"


Ou eu muito me engano, ou a questão está também na ausência da busca de pontuação!!
(Já viram bem aquela frase? Quando a li pela primeira vez, entrei de urgência no hospital, para me serem administrados alguns litros de oxigénio.)


E depois, ainda há outra coisa...

Intrigada com a profundidade da afirmação, fui buscar um dicionário. Abri-o e, após uma breve procura, cheguei mesmo a deitá-lo para o lixo (Perdão. Para o papelão).

Acabei por pensar melhor e concluí que, na volta, até era o dicionário que estava certo... Senão, vejamos:


"Aperfeiçoamento, s. m. acto ou efeito de aperfeiçoar; acabamento; melhoramento; progresso."

"Aperfeiçoar, v. tr. tornar perfeito; (...); acabar; (...)."


Então, a questão é esta:

A busca da perfeição, não.
O aperfeiçoamento, sim.

São coisas COMPLETAMENTE diferentes...

Fiz bem em dar um voto de confiança ao meu dicionário, ao tirá-lo do lix... do papelão, não fiz?

PS: Angel, querida, eu sei, eu sei... também há artigos bem escritos e bem fundamentados, na Máxima. Na realidade, tenho andado com uma neura daquelas... e era imperativo, para o meu bem-estar psicológico, implicar com alguma coisa... :)
publicado por S às 17:42
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Anónimo a 18 de Fevereiro de 2005 às 23:50
Caro Calvin:
Já tinha percebido o que querias dizer, no comentário anterior. E até concordei contigo. Mas quis testar a tua capacidade de argumentação e adoptei uma atitude de "finca pé",só para ver no que dava. :) A verdade (verdadinha), é que me deixei influenciar por um outro artigo - este, da Pais&Filhos - que abordava a questão da maternidade e do que esta representava, em termos de modificações definitivas, para o corpo feminino. O artigo da Máxima, apesar de poder ser aplicado a outros campos, era dirigido, essencialmente, aos casos de busca da perfeição estética, imposta pelos parametros da nossa sociedade. Nesse aspecto, obviamente, concordo plenamente com a autora das frases. Igualmente, no que se refere a aspectos da vida pessoal - como querer ter filhos no momento perfeito, dentro da relação perfeita, etc. - concordo que a busca da perfeição, nada mais faz do que contribuir para sucessivos adiamentos e consequente frustração. O que eu não acho produtivo (e por isso terei sido mais crítica), é dar às pessoas que não se preocupam com o auto-conhecimento e auto-aperfeiçoamento, mais motivos para que continuem assim. É que, isto está tão mau...! Se mais pessoas investissem na própria evolução, talvez passasse a haver mais gente a dizer "Pode ser melhor, mas já está óptimo assim."
Às tantas, é algum recalcamento... :)sofia
(http://blogseve.blogs.sapo.pt)
(mailto:blogsofia@sapo.pt)
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2005 às 23:58
Mas eu não li a Máxima... :o) Quando estabeleces uma 'meta de perfeição', já estás a arranjar um compromisso entre um ideal utópico e um objectivo tangível. É uma estratégia como outra qualquer. Eu acho que ter um objectivo inalcancável não é uma coisa negativa se estivermos conscientes dessa distância. Alguém que trabalha no sentido da perfeição, poderá ficar frustrado ao não atingi-la (busca da perfeição) ou poderá ficar satisfeito por ter dado o seu melhor e chegado ao seu limite (aperfeiçoamento). Não há coisas perfeitas, há apenas maneiras de lidar com a nossa imperfeição, e acho que é nesse sentido (na atitude face à perfeição) que a autor estabelece a diferença. E agora, vou atirar esta imperfeita carcaça para cima da cama que amanhã é dia de um também imperfeito trabalho. :o)Calvin
(http://ummundomagico.blogs.sapo.pt)
(mailto:o.calvin@sapo.pt)
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2005 às 23:06
Ouve lá...! Mas quem te mandou ler a Máxima??:)
Não estou de acordo contigo, Calvin, pelo seguinte:
Isso é partir do princípio que a perfeição, por ser estática, ou seja, um fim em si mesma, é um objectivo impossível. Eu continuo a achar que a perfeição pode ser atingida, quando a meta é definida por ti, apenas. Não é a perfeição total, absoluta. É a perfeição que pretendes, naquele momento, naquele aspecto particular da tua vida. A não ser que estejamos a falar de um perfeccionismo patológico - e nesse caso não se é perfeccionista, é-se doente -, não vejo que exista um problema em querer atingir a perfeição, indo um pouco mais além do mais perfeito que se pode arranjar. Aperfeiçoar uma coisa, é (quer se queira, quer não), torná-la perfeita. De outro modo, estaríamos a falar da diferença entre ter o suficiente, e ter o que se pretende.sofia
(http://blogseve.blogs.sapo.pt)
(mailto:blogsofia@sapo.pt)
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2005 às 22:24
Querida Sofia, estou totalmente de acordo ;o) com a primeira parte do teu pos... arti... texto. As mulheres e os homens são diferentes, ponto final. * Quanto à perfeição e ao aperfeiçoamento, acho que consigo perceber a ideia que a senhora quis passar, independentemente das questões léxicas. O que eu julgo que ela quer dizer é que a frustração de não se conseguir atingir um estado ideal é precisamente o motor para que se tente a melhor aproximação possível a esse estado. Não me parece que ela faça uma distinção absoluta dos dois termos (busca da perfeição/aperfeiçoamento) mas introduz-lhes uma subtileza que os afasta num contexto bem definido.Calvin
(http://ummundomagico.blogs.sapo.pt)
(mailto:o.calvin@sapo.pt)
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2005 às 19:55
vou ler o ertigo. Saíram a máxima, a Elle, a Lux na mesma semana, e eu acabei por ainda não ter lido nenhuma... depois dou-te uma opinião... jokinhas - Angelangelkitten
(http://www.donadecasa.blogs.sapo.pt)
(mailto:angelcat@netvisao.pt)

Comentar post