origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2005

Príncipes, princesas e lobos maus...

capuchinho vermelho.jpg



Eu já calculava que isto, um dia, ia correr mal...

Mesmo antes de ser mãe, já tinha umas ideias sobre a importância das histórias, na vida das criancinhas. O que eu não sabia, era que algumas criancinhas (espero que haja alguém com mais sorte do que eu, e que aquele "algumas" não seja uma utopia), fazem questão de transformar grandes contos, em simples "medidores de paciência parental".

Eu explico:

Quando a Maria - que tem 5 anos - era muito mais manipulável (afinal, sempre se confirma. Eu SOU manipuladora), era relativamente fácil convencê-la de que as histórias, por muito longas que pareçam nos livros, não eram maiores do que ela. E, assim, quaisquer cinco minutinhos eram suficientes para as contar.

Os problemas começaram (quem me mandou a mim fomentar nela a curiosidade e a criatividade...) quando, por volta dos três anos, começou a tornar-se mais exigente.

Eu não desarmei, e o único trunfo que me lembrei de utilizar, do alto dos meus vinte e tal anos de sabedoria, foi começar a contar as histórias (que já era ela a escolher) em versão acelerada. Durante uns tempos (leia-se dias), resultou. Mas depois, o argumento "Querida, a história está lá. INTEIRINHA, cheia de pormenores!! A mãe só a contou mais depressa. Só isso..." esgotou-se. Até porque, já nem adiantava eu falar mais rápido do que o meu pensamento. Não era suficientemente rápido para o pensamento dela. E acabei por me render às evidências. Ia fazer o quê...?

Não sei se foi estratégia dela, ou não. O que sei, é que me saiu bem caro o atrevimento.
A história do Capuchinho vermelho, chegou a demorar meia hora a ser contada... Sabem aquela parte dos bolinhos que o raio da miúda fez para levar à avozinha? Pois é... essa era a parte em que eu tinha de me calar, durante vários minutos, para ser especificado o tipo de bolinhos que estavam dentro do cestinho. "...de muango..., de chocuate..., de canela (é verdade! é doida por canela!)..."...

Hoje em dia, felizmente, a história favorita da Maria é a "Cinderela" que, como toda a gente sabe, não tem muito por onde inventar.


Agora (e vejam bem a minha sorte...), imaginem lá qual é a história que a Martinha - que tem quase dois anos - adora e precisa, para ficar sob hipnose...

É mesmo essa. O Capuchinho vermelho. Só espero que o desespero não me faça cair no mesmo erro...
publicado por S às 13:43
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 10:18
Já calculava... O que eu queria mesmo, era saber como se diz. Fazer UM ping. Ok. :)sofia
(http://blogseve.blogs.sapo.pt)
(mailto:blogsofia@sapo.pt)
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 01:42
Um ping por comentário acho que não: parece campanha eleitoral. Promete um post, mas vai-se a ver e é só um comentário.AC
(http://alertaamarelo.blogs.sapo.pt)
(mailto:alfaydit@netcabo.pt)
De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2005 às 16:27
Na versão infantil, pelo menos, só existia um lobo mau... Essa é que é essa! :) Já agora, também devo fazer Ping (isto soa a tudo, menos a uma pergunta séria, mas enfim...) quando respondo a comentários?sofia
(http://blogseve.blogs.sapo.pt)
(mailto:blogsofia@sapo.pt)
De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2005 às 14:36
Essa estória é apenas a antecâmara desta, a versão adulta e sem imaginação da Capuchinho Vermelho: http://www.malhatlantica.pt/mediateca/Republica.jpgAC
(http://alertaamarelo.blogs.sapo.pt)
(mailto:alfaydit@netcabo.pt)

Comentar post