origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008

Não me apetece nada.

 

 

 

Não sei se sabem, mas a preguiça...

 

 

...

 

 

é um animal mamífero.

 

 

 

Além disso, até são giras, pelo que não é assim tão mau sermos parecidas com elas.

publicado por S às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

De um dia para o outro (Última parte)

 

 

 

Há três anos, este blog já existia.

publicado por S às 14:05
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Domingo, 27 de Janeiro de 2008

De um dia para o outro (Primeira parte)

 

 

Há três anos, este blog não existia.

publicado por S às 14:05
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
Sábado, 26 de Janeiro de 2008

Se amanhã não fosse Domingo, podia ser outro dia qualquer...

 

Bom...

 

Qualquer outro, menos Domingo.

publicado por S às 18:39
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

Porque sim

 

Estou zangada com o mundo.

 

Detesto partilhar sentimentos deste género, mas estou tão zangada, tão zangada mesmo, que já nem me chateia nada fazê-lo, agora.

 

É cruel que, de cada vez que alguém me desilude, seja eu quem perde. Porque me limito a fechar-me na minha concha e a produzir pérolas que vão acabar, mais cedo ou mais tarde, na boca de algum suíno.

Eu até gosto de suínos. São cor-de-rosa e tudo. Mas comem cascas. E eu não gosto de cascas. E não posso gostar de quem gosta de cascas.

O problema principal aqui, são as cascas.

 

Quando me zango com o mundo, só me apetece dizer a toda a gente: "Tens noção de que vamos todos morrer, mais dia menos dia?"

Mas não digo. Só penso.

 

Talvez por isso, por não dizer, as pessoas continuem a confundir cascas com conchas.

E a minha concha com uma casca.

Azar.

É mesmo uma concha.

Robusta.

E lá dentro, tem nácar para dar e vender.

 

Não sou eu que perco. Definitivamente.

 

publicado por S às 15:40
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
Domingo, 20 de Janeiro de 2008

Under pressure

 

O excesso, num dos seus mais fantásticos expoentes:

 

- Para medir a pressão, é necessário exercê-la.

publicado por S às 21:46
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Apesar de tudo, podia ser pior

 

 

Mais do que o tempo, às vezes acho que é a consciência da minha finitude que me mata mais um pouco, em cada dia que passa.

 

 

(Não sei se devia confessar isto, mas esta ideia/frase não me deixava adormecer, ontem à noite. E é só por esse motivo que está aqui.)

 

(Mais uma prova de que eu não ando a tomar a medicação certa, também. Mas foi a que me receitaram. Além disso, hoje estou chateada. E ainda além disso, mesmo que não estivesse.)

 

 

publicado por S às 19:21
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Terça-feira, 15 de Janeiro de 2008

A prova

Devia ter uns 12 ou 13 anos.

Olhei para o espelho e estava lá a minha imagem.

De repente, voltei-me na direcção inversa e fiquei de costas para o espelho.

 

E pensei:

 

Será que a minha imagem ainda está lá?

 

 

Nunca mais pensei nisto. Até que, há uns dias, li algures a mesma pergunta.

 

"A imagem no espelho mantém-se, se ninguém estiver a olhar para ela?"

 

Hoje, como há uns anos e há uns dias, não sei a resposta.

 

Alguém sabe?

 

publicado por S às 23:34
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
Sábado, 12 de Janeiro de 2008

Eu, muitas vezes

 

Toda a gente sabe da minha paixão por Lobo Antunes.

 

Toda a gente, menos ele.

 

E ele, sem saber, faz-me saber que a tenho.

A mim, e a toda a gente que sabe.

 

Porque não consigo escondê-la e ele, sem saber e sem querer, faz-me senti-la.

 

Muitas vezes.

 

E faz-me querer roubar revistas antigas abandonadas em sofás de cabeleireiros...

 

E depois, faz-me pesar a consciência e pensar na alternativa: "podias rasgar as páginas da crónica, apenas, e escondê-las na mala...".

 

E passados alguns segundos, faz-me ainda chamar nomes a mim própria.

"És mesmo parva. Por que raio não cumpres as promessas que te fazes e não assinas o raio da revista?"

 

E quando chego a casa, olho para o chão e vejo-as. Todas ali. A ocupar um espaço enorme do meu chão.

Quando o que quero delas, o que preciso delas, são apenas duas páginas.

 

E as duas páginas que queria, hoje, e que pensei irremediavelmente perdidas... não estão, afinal.

 

E é tão bom, quando há  "afinais" assim, nas nossas vidas.

 

publicado por S às 18:35
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2008

Este blog está semi-congelado

 

 

Como já deve ter dado para reparar.

 

 

 

 

publicado por S às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito