origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Domingo, 29 de Abril de 2007

Tempo

 

 

Aliado certo para pôr termo aos momentos errados, o tempo, às vezes, brinca connosco.

 

Mas não nos faz rir.

 

Quando o tempo passa e a certeza que nos traz é apenas a de o termos perdido, a única coisa que nos resta é sorrir. Por percebermos que podemos enganar-nos a nós e aos outros. Mas a ele, não.

 

O tempo não muda o que a alma nos diz.

Por muito que a razão a queira convencer do contrário.

 

Resta passar à fase seguinte:

 

Dar tempo ao tempo do tempo. E isso parece-me tempo demais, quando o tempo não dá nada em troca.

 

Foi por isso que se inventaram os temporais.

publicado por S às 22:06
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

EDP

 

 

Estou e-x-a-u-s-t...

publicado por S às 20:48
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

E também chove dentro de mim

 

 António Lobo Antunes

 

"Mói e mata. Mata. Mata. Mata. Mata. Levou-me tantas das pessoas que mais queria. E eu, já agora, quero-me? Sim. Não. Sim. Não — sim."

Eu também quero.

publicado por S às 09:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Não me apetece que chova

 

 

Não escrevo nem mais uma palavra enquanto a previsão do estado do tempo em Portugal incluir a palavra

 

                                                                 AGUACEIROS

 

Antes desta decisão já tinha decidido não pontuar frases

 

E antes da decisão de não pontuar frases tinha decidido escrever apenas pausa neste post

 

De notar que depois da minha decisão de não escrever nem mais uma palavra enquanto a previsão do estado do tempo em Portugal incluir a palavra

 

                                                                 AGUACEIROS

 

escrevi apenas 72 palavras

 

não

 

foram 73

 

com mais estas

 

78

 

O que não é mau de todo

publicado por S às 22:48
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Pedaço de mim

 

A epidural no auge do efeito e eu a garantir

"Não comecem já. Ainda sinto tudo."

 

(Felizmente não se deixaram levar tão facilmente...)

 

O bisturi. O som das tesouras. As compressas. Eu com pressa.

 

Subitamente, um movimento mais brusco.

 

A mão da anestesista na minha nuca, a elevar-me a cabeça.

 

A pergunta "Está a vê-la?"

 

A resposta "Não, só vejo uma perna!"

 

Tudo tão rápido, tudo tão mágico. Tu fora de mim. Eu tão acordada. O teu choro e o meu coração a  voltar a bater. Levarem-te para fora da sala. Ouvir "4" gritado lá do fundo. A minha pergunta "Quatro quê? Quatro Kgs?!".

"Sim, 4 kgs!". Eu incrédula.

 

Tu de volta à sala, embrulhada no colo da tua avó, a aproximares-te de mim. Linda. A primeira vez que te toquei. A pele do teu rosto. Tão macia.

 

 

 

Tudo tão rápido, tudo tão mágico. Tu fora de mim. Eu tão acordada.

Ouvir "4" na tua voz.

Quatro quê? Quatro anos?! Já?

 

 

Adoro-te, Marta.

 

Parabéns!

 

 

publicado por S às 01:28
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

Era mesmo só o que me faltava, ficar lamechas com esta idade...

De todas as ausências

 

as que doem durante mais tempo

 

são as que nos são impostas por nós prórpios

 

 

...

 

 

?!

 

"prórpios"? Eu escrevi "prórpios"?

 

 

 

(lamechas e disléxica... está bonito...)

publicado por S às 18:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 8 de Abril de 2007

No alvo

"Já notei que a maior parte dos homens se sente açulada e indignada quando, em pleno combate moral, recorremos à ternura e ao afecto. É vê-los feras amansadas e apanhadas de surpresa assim que recorremos à violência ou à dureza. Raça detestável! Tal preceito mantém-se praticamente inalterável no que respeita ao amor.
Realidade estranha e deplorável, pois, em muitos casos, é igualmente aplicável à amizade; realidade pavorosa, desesperante, mas inevitável, necessária à subsistência das nossas sociedades, dos governos mais democráticos aos mais despóticos. Quando não é refreado nem reprimido, o homem aproveita imediatamente para cometer abusos. Despreza quem o receia e maltrata quem o ama; receia quem o despreza e ama quem o maltrata.
"

George Sand, in 'Diário Íntimo'

 

 

 

(Eu não queria dizer isto, mas... uma mulher com nome de homem como pseudónimo, que diz uma coisa destas... Só pode ter razão.)

publicado por S às 03:06
link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Abril de 2007

Post (mortem) a um gato branco.

 

 

 

Lamento

 

profundamente

 

não ter chegado antes

 

não ter podido mudar a tua sorte

 

não ter sido o teu escudo

 

não ter conseguido enganar a morte

 

 

 

Marcaste o meu dia. A tua vida acabou hoje, e hoje levas contigo um pedaço da minha. Abraçada a ti, numa camisola que adoro.

 

Não sei de onde vieste, nem sei se alguém vai sentir a tua falta.

Mas sei que não te deixei sozinho até ao teu último momento. E sei que senti o teu agradecimento.

 

Sente agora o meu.

 

Adeus, gato branco.

 

 

publicado por S às 20:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 4 de Abril de 2007

Entretanto...

 

... o que existe, manifesta-se.

publicado por S às 00:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 2 de Abril de 2007

Meant to be

(Cat's eye Nebula)

"No star lives forever— our own Sun included. After a star like the Sun has used up all its nuclear fuel, it throws off its outer layers and then fades away."

publicado por S às 22:36
link do post | comentar | favorito