origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Não digam nada. Podia ter-me dado para muito pior.

                                      OU                                      

Tenho andado a pensar.

E depois acontecem coisas destas. Quando penso.

Na vida, há duas formas (Esta parte não tem a ver com o facto de pensar. É apenas por andar a acordar cedíssimo.) de... (Mas porquê duas? Porque me dá muito mais jeito, claro. Se eu dissesse três, seria necessário dar três exemplos. E como só há dois tipos de velas...)... onde é que eu ia...?

...

 

Ah, já sei. Tenho acordado cedíssimo e adoro motores. De carros.

E de vez em quando também penso. Nesses momentos, chego a comparar o funcionamento de dois tipos de velas com o funcionamento das pessoas.

Já agora, sou uma vela de motor a gasolina. Era de diesel, mas regredi.

Acontece.

                                                   

publicado por S às 21:33
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006

Hoje é o primeiro dia...

25-09-2006

 

É uma data tão vazia, não é?

Não há números iguais, capicuas, raízes ou cubos.

 

E no entanto, tão passível como qualquer outra, de ser memorizada.

 

Como uma cheia de números coincidentes e que se lêem de trás para a frente como da frente para trás.

Como outra que por acaso até associa o dia do nosso aniversário à nossa idade e ao número de dedos que temos nas mãos.

 

Esta é tão normal.

Tão cheia de nada.

 

E no entanto...

 

Apenas o tempo pode confirmá-lo, mas a minha intuição diz-me que este dia vai ficar gravado na minha memória.

 

Pelos melhores motivos.

 

Afinal, pode ter sido apenas o primeiro, do resto da minha vida.

publicado por S às 21:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 22 de Setembro de 2006

Porquê três, quando podem ser cinco?... Ou dez... Ou...

 

Já toda a gente deve ter ouvido falado na tripla acção de Actimel.

Confesso que quando vi o anúncio pela primeira vez, sorri com a mesma ternura com que sorrimos ao ler uma composição nossa, feita na 2ª classe. Mas como não voltei a vê-lo, pensei que alguém já os tinha avisado.

 

Ontem percebi que não. Ou que sim, mas eles não ligaram nenhuma. Vai dar ao mesmo.

 

Passo a explicar (se conseguir começar por algum lado...):

...

É melhor não. Vou buscar as palavras deles.

"- 1ª linha de defesa: a flora intestinal

A flora intestinal é constituída por um número considerável de bactérias, cerca de 100 000 biliões, repartidas por mais de 400 espécies diferentes.
A flora bacteriana tem um efeito benéfico nas defesas do organismo, combatendo, através de diferentes mecanismos, as bactérias potencialmente patogénicas. O consumo regular de Actimel aumenta o número de bactérias benéficas na flora intestinal, contribuindo assim para inibir o desenvolvimento de bactérias patogénicas na flora."

 

Parece-me que, lendo a última frase chegamos lá. À ideia base do benefício de Actimel.

Mas há quem não pense assim, e goste de recordar os dias das composições da 2ª classe. E continua

 

"- 2ª linha de defesa: o epitélio e o muco intestinal que actuam como uma barreira física

O revestimento do intestino alcança uma área considerável graças às suas microvilosidades características. Esta área funcional não só facilita a absorção dos nutrientes como também ajuda a proteger o organismo. Actimel melhora a qualidade do epitélio e do muco intestinal, acelerando, por exemplo, a renovação das células, o que permite reforçar o papel de barreira do muco contra as bactérias patogénicas."

Parece que estou a ver-me a escrever...

" O meu cão é meu amigo. Eu gosto do meu cão porque ele é meu amigo. O meu cão e eu somos amigos. Eu gosto de ter amigos. E também gosto de cães."

 

Mas... a protecção é tripla, não dupla. Falta qualquer coisa, portanto...

 

"- 3ª linha de defesa: o sistema imunitário intestinal

O sistema imunitário intestinal contém cerca de 70% das células imunitárias do nosso organismo. Nesta linha de defesa, Actimel melhora o funcionamento de alguns parâmeros do sistema que impedem a colonização do intestino por bactérias patogénicas."

 

Ahhh! Fascinante! Então mas... e é só isto?! É pouco.

O Quanto Fresh não-sei-quê deixa a roupa não-sei-como durante 4 semanas! Quatro! 

Eu acho, senhores do Actimel, que com jeitinho ainda se arranjavam mais umas cinco acções.

Mas vocês é que sabem. 

publicado por S às 13:19
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

Vamos lá então, actualizar isto...

Estou a reviver os tempos de escola, quando adorava tudo o que carimbasse qualquer coisa, fazia colecção de folhas (não. não eram folhas de árvores. podem concluir o vosso raciocínio com a palavra "doida", podem) e mordia as borrachas porque tinham formas de frutos ou cheiravam deliciosamente...

 

Bons tempos.

 

Se bem que... pensando melhor... aquela história de não me emprestarem as canetas de feltro porque eu as estragava com a fúria de pintar...

 

 

publicado por S às 11:49
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sexta-feira, 15 de Setembro de 2006

Declaração de amor

É oficial.

A exclusividade na educação de dois seres muito especiais terminou.

 

Agora, mais do que nunca, o meu papel é único porque passou a ser um dos muitos na vida delas.

A felicidade que este momento (O primeiro dia de escola é ainda mais especial quando supera todas as expectativas. Mas mesmo todas.) me proporciona é indizível. Nem tamanho tem.

A única coisa que me impede de encher este blog de baba, nem é o bom senso. É a impossibilidade real de o fazer. Apenas isso.

 

Miúdas:

ADORO-VOS

Tanto, tanto...

 

Espero, quero e farei tudo para estar à altura deste desafio. Vosso e meu. Nosso.

 

Nosso.

 

publicado por S às 23:06
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Sábado, 9 de Setembro de 2006

Fluir

Isto é estranhíssimo...

Queria falar sobre mudança, transformação. 

Sobre quando sentimos que os dias passam por nós.

Sobre quando sentimos que quase lhes tocamos. 

Sobre quando sentimos que ainda podemos aproveitar mais uns minutos daquela hora, mais uns segundos daquele minuto. Mais.

Sobre quando parece que há muito mais ar para inspirar e os pulmões atingiram o ponto máximo de expansão.

Sobre quando percebemos que ainda não vimos nada.

Que a vida nos ultrapassa.

Que temos de ir atrás dela, se queremos aprender mais.

Tem-me acontecido, ultimamente.

 

Queria falar sobre isso tudo.

 

Queria falar.

 

Queria.

 

(Para ti, Claudia: Estou onde precisares de mim. Sempre.)

publicado por S às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito