origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Terça-feira, 29 de Março de 2005

PS

Prometo que não volto a tocar neste assunto.


Compreendam... estava cansada, fragilizada, ... e aquele comentário... enfim.


Alguém quer jogar uma bisca?


...


...


...


O trunfo é espadas...


...compreendo.


É melhor não...





(sueca...?)

...




Ok. Já percebi. Não. Eu jogo sozinha.
publicado por S às 23:30
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito

Corpo do artigo

Título



(Não me tratem mal, que isto é grave...!)


Começo a perceber que há uma imensidão de gente a ler o que escrevo e a levar-me a sério (A parte da "imensidão" é apenas aplicável à quantidade de pessoas que me levam a sério, não à dos que conseguem ler o que escrevo...).


Não é que, o que eu digo, deva ser tido como brincadeira. Mas também não é necessário chegar ao extremo oposto.



Já pensei várias vezes no assunto. Já tentei, com vontade, modificar esta característica.

Sem resultados visíveis...


Não sou, de todo, impermeável a opiniões que não coincidam com as minhas. Pelo contrário. Por muito segura que esteja, relativamente à forma como me posiciono perante vários assuntos, nunca - é forte, a palavra, mas é a indicada - tenho a convicção firme de ter a razão do meu lado.


Respeito todas as opiniões fundamentadas, mesmo que não vislumbre validade nos fundamentos.


É a minha opinião. É a opinião do outro. Ponto final.


É por esse motivo, que me estou nas tintas para o resultado do referendo. Vou cumprir o meu dever. Dar a minha opinião, que, por enquanto, continua a ser a que era.

Enquanto houver quem pense que a IVG, praticada como contracepção - e aqui, não podemos argumentar apenas que "todos somos contra o aborto", porque não é verdade.
Há quem não seja. Há quem não considere que um zigoto, um embrião, ou mesmo, em alguns casos, um feto, seja vida -, é uma solução a aplicar numa primeira abordagem, até pode, o resultado do referendo, implicar a manutenção da penalização. Não será isso que me fará sentir melhor. Mas far-me-á crer que está em aberto, a hipótese de começar pelo principio. Evitar a gravidez.

Caso contrário, vou continuar a ter, até que a evidência me mostre o contrário, um sentimento de profundo pesar, por todos os que, uma vez concebidos, não vão poder ver o fruto do seu sacrifício.
publicado por S às 22:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 25 de Março de 2005

Páscoa!!

pascoa.jpg


Para quem alguma vez passou noites em claro, a tentar descobrir a origem dos famosos Ovinhos da Páscoa... :)



Boa Páscoa!!


(O mistério das amêndoas de chocolate, ficará para uma próxima oportunidade...)
publicado por S às 18:52
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Quarta-feira, 23 de Março de 2005

RefeRENDO (-ME)



Parece que já ninguém duvida. Nem eu.

A questão da despenalização do aborto, vai ser referendada.


Como defensora da vida - antes de qualquer outra coisa -, e também de medidas que visem, acima de tudo, a prevenção, não sou contra o referendo. Acho muito bem que existam referendos. Os referendos existem. E eu acho muito bem. Que existam.


Obviamente, irei votar contra a despenalização. Sou hipócrita, portanto.

(É isso, não é? Quem não é a favor da despenalização, é hipócrita. É o que se ouve mais por aí, pelo menos.)


Longe de querer angariar adeptos para a minha causa, e talvez demasiado perto de atrair pessoas cheias de boas intenções e genuina vontade de dizerem "tu vai mas é ao médico!", arrisco um desabafo:


Passa pela cabeça de alguém (que não seja hipócrita, claro!), despenalizar os assaltos feitos por toxicodependentes?


Afinal de contas, são toxicodependentes. Muitos têm outro tipo de patologias associadas, e o seu comportamento é alterado pelo consumo de substâncias tóxicas...

É injusto que, em vez de serem ajudados, sejam presos.

E toda a gente sabe - a não ser que também sejam hipócritas -, que muitas das instituições criadas com o objectivo de os tratarem, não o fazem da forma suposta...

Há muita gente a encher os bolsos à custa da toxicodependência.

E depois, há o outro lado da questão.

Um pai (no sentido lato da designação), que vê um filho a cair no abismo da droga, pode sentir-se tentado a comprar-lha, para não o ver fazer qualquer coisa por ela.


Apraz-me saber que existem tantos portugueses, cheios de instinto paternal, que querem proteger as filhas. Que defendem com tanto afinco, o direito que as mulheres (pelo menos, as que chegaram a nascer...) devem ter, de escolher dar ou tirar vidas. Sem penalização. Legal...


Despenalizem. Sacrifiquem-se embriões em nome da liberdade dos que já cá estão.

Isso sim, será ausência total de hipocrisia...

E está o problema resolvido.


Durmam de consciência tranquila, sabendo que, se as ricas podem, as pobres também.

publicado por S às 23:51
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Segunda-feira, 21 de Março de 2005

Eu não disse?

sporting.jpg




Disse, pois!



E repito:



SOMOS OS MAIORES!



(Ainda hei-de fazer um estudo, sobre a probabilidade de existir uma relação directa entre preferências clubísticas e a vitória de um clube, no primeiro jogo pós-parto...)



(O Sporting ganhou algum jogo, em Novembro de 74?)
publicado por S às 23:16
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 20 de Março de 2005

Alentejano benfiquista (SE sair só ao pai...)

puto.jpg




Nasceu!!!

(Já sou TIA!!!)


Demorou, demorou (parte alentejana), mas nasceu (O Benfica, parece que também é assim. No fim, marca sempre um golito.)!


PARABÉNS, Henrique e Joana!

(E tu, puto, se não fores do Sporting, estás feito!!!)


Estou feliz
publicado por S às 11:40
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Sábado, 19 de Março de 2005

Titulo

ar condicionado.jpg



Por falar em fundamentalismos...

("Mas quem é que falou em fundamentalismos?!", perguntam vocês.)

(Já perguntaram?)

(Muito bem:)


(Eu adoro escrever entre parentesis!)

(Já alguém reparou?)


(Muito bem, dizia eu.)

(Muito bem, dois pontos.)

(O que quer dizer que vou esclarecer-vos, agora.)

(Dois pontos, então.)

Não sei quem falou de fundamentalismos.

Mas alguém deve ter falado. Quase de certeza.


(Isto, hoje, está complicado.)


Só quero dizer que não gosto de ar condicionado. É artificial. E faz péssimamente às vias respiratórias.

Não gosto. E acho um luxo desnecessário. Além disso, condiciona o ar. E todo o ar deve ter o direito de ser livre.

(Um destes dias, ainda hei-de conseguir escrever qualquer coisa de jeito.)


(Até lá...)

(A culpa não é minha. Não me acontece nada de excepcional!!...)


(Ah! Esperem!...)

(Hoje, vi uma senhora com um pé calçado por um saco de plástico daquele hipermercado... o do D' Artacão, sabem?... Tinha o pé engessado e deve ser daquelas pessoas que, além de acreditarem no serviço nacional de meteorologia, ainda não repararam que os sacos dos hipermercados têm sempre buracos.)


(Ou pode ser que seja adepta - deus queira! - fervorosa da reciclagem, e não tenha encontrado uma maneira mais ecológica de o reutilizar...)


(... eu não faria melhor...)


(Vou PINGar este!!!... e seja o que deus quiser...)
publicado por S às 21:26
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 17 de Março de 2005

Pois é...

flor.jpg




Hoje não há post...

Nem vou "PINGar" isto...


Mas ainda estou por aqui...


Não me fui embora...


... era só isto.


(Fiquei desanimada com o gráfico do StatCounter. Parece uma montanha russa...)


(Ainda se tivesse um looping ou outro...)


(Não sei se se lembram, mas os parentesis significam que estou a sussurrar...)


(Pois é...)
publicado por S às 22:15
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Quarta-feira, 16 de Março de 2005

Mania das grandezas

anestesia.jpg









Tenho um respeito profundo por médicos, e profissionais da saúde em geral. Cresci no meio deles e há quem me chame doida, porque adoro o cheiro de hospital. O cheiro do Bloco Operatório. O cheiro da minha mãe.


MAS...


Os anestesistas, que estudaram e trabalharam imenso para o ser, ninguém duvida, são, na minha modesta opinião, emproados demais.

Obviamente, estamos a falar de pessoas. Como tal, até podiam ser (toda a gente sabe que não senhor, não podiam nada!) electricistas (foi ao acaso. não estou a querer dizer nada nas entrelinhas), e apresentariam o mesmo ângulo feito pelo nariz, relativamente ao chão.


Estranhamente -isto custa tanto a admitir... nem imaginam-, OS anestesistas de nariz empinado são em menor número, se compararmos com AS anestesistas que optaram por esta especialidade em capacidade elevatória (Dos que conheço. Mas também... eu conheço tão poucos... :)).


Está bem... Eu explico por que motivo estou a implicar com eles, hoje.


Há alguns dias, a minha cunhada foi fazer a consulta pré-natal de anestesia. A anestesista (chegámos ao fundo da questão) explicou-lhe como é feita a epidural e essas coisas todas. Até aqui, pelo que consegui apurar, cumpriu bem a sua função.


Depois, quando chegou o momento de falar da possibilidade de alguém assistir ao parto, estragou tudo. Afirmou, taxativamente, que não permitiria a ninguém essa possibilidade. Excepto ao pai, que, por razões pessoais, tinha decidido não o fazer. E, em caso de cesariana, nem o pai podia lá estar.



Muito bem, pensará qualquer pessoa. Um pai a dar trabalho no parto. Mal a obstetra ("A", sim. Tem de ser AQUELA obstetra, não agoirem!!!) ergue o bisturi -ou o canivete eléctrico, não faço ideia-, cai o pai para o lado... Pensará qualquer pessoa... que não saiba que o pai... é médico.


E já não é a primeira vez que assisto a atitudes destas, por parte de anestesistas.

Claro que A obstetra já resolveu o assunto, tranquilizando a parturiente e assegurando-lhe que, se não quiser, não estará sozinha nesse momento. Desde que a equipa de anestesia seja outra...


Estamos em que século?!


(Indo ainda mais ao fundo da questão, eu quero é ver se os médicos também comentam aqui...)
publicado por S às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 15 de Março de 2005

Farinha do mesmo saco

logo_vvportugal.gif


Estou a divertir-me imenso, com esta onda de publicidade do tipo nha-nha-nha-nha-eeeu-sou-e-tu-não-éééé és...


Depois do "eu é que não sou parvo", chega agora o "sou tão inteligente".


Sabendo, à partida, que o português típico não se fica quando ouve dizer "quem sabe o que anda a fazer, adere a este produto", não posso deixar de aplaudir a esperteza destes criativos.

Não se pense (aposto que já estavam a pensar nisto... não?) que o que me move, na minha crítica a este tipo de publicidade, é o facto de não ter aderido a estes produtos e estar roídinha de inveja. Não é. Até porque, antes do post MediaMarket, e muito antes deste, da Brisa, já tinha aderido (sou ou não sou portuguesa, afinal?).

Confesso que - e não obstante nunca o ter referido - nunca senti o impulso de experimentar aquele shampoo que provoca reacções estranhas, nas mulheres que o utilizam. Principalmente porque considero que é discriminação pura, deixar que o cabelo disfrute mais do banho que o resto do corpo...


Qualquer dia, vamos ter o quê?!

Um anúncio às fraldas Dodot, com o slogan "Eu é que não sou estéril", ou "Sou tão inteligente que até sei fazer bébés", não?
publicado por S às 17:28
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito