origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Quinta-feira, 17 de Novembro de 2005

A minha constelação favorita

cassiopeia.jpg


 


Hoje, a caminho do trabalho (não sei se sabem... ok.), vi uma funcionária da EMEL (Digo eu, que acho que só existe uma empresa deste género. Há mais?!) a escrevinhar um bilhetinho, enquanto olhava, com um ar absolutamente... nem sei... pronto, olhava... enfim... olhava para a matrícula do carro em questão.

Passou-me pela cabeça, naquele momento, que se eu fosse aquela pessoa, a única coisa que escreveria nos bilhetinhos seria uma anedota, no mínimo.

Ou "Tem um carro muito giro. Gasta muito? Deve gastar, para o deixar sem moedas...".

Ou "Apanhei-o!!! Confesse lá: Já estava a pensar no pior, não era?"

Ou então... sei lá.

O que quero dizer, é que me fez uma enorme confusão, ver até que ponto chega a noção de dever da maioria das pessoas. Como se todo o resto, à parte da função que cada um de nós tem, em sociedade, não fosse nada.

Como se não valesse a pena, ainde que esporádicamente, mandar as regras darem uma volta e fazer alguém feliz.





Às vezes, muitas vezes mesmo, sinto que isto tudo é cómico, de tão absurdo.

O ar sério que algumas pessoas apresentam, como se estivessem a fazer uma grande coisa.




Já agora, aproveito para dizer que não penso desta forma por me sentir lesada.




Nunca fui multada (oficialmente, não :) ). Tenho uma sorte imensa. Nem eu acredito na sorte que tenho.




Talvez seja o espírito natalício (esse lamechas) a apoderar-se de mim. 

Mas nesse caso, garantidamente, o Natal pode ser todos os dias.

Para mim, é.

publicado por S às 02:06
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Anónimo a 18 de Novembro de 2005 às 13:58
Pois é, Sofia, nada é linear. M
(http://www.fotoescrita.blogspot.com)
(mailto:mmrg@clix.pt)
De Anónimo a 18 de Novembro de 2005 às 13:34
Sim, M., por vezes... E também acho que cada um tem os seus princípios. Já vi estes papelinhos em carros parados à porta de Hospitais... :) Um dia, assisti a um episódio curioso: Uma pessoa que conheço cometeu uma infracção, no trânsito. Efectuou uma manobra perigosa, apesar de ter tido o cuidado de o fazer sem pôr em risco a integridade física de outras pessoas. Uma agente da autoridade assistiu a tudo, desde a intenção à concretização. No final, aproximou-se da pessoa em questão e fez o que tinha a fazer. Enquanto escrevia, foi dizendo que o facto de terem sido tomados todos os cuidados, não diminuía em nada a infracção. O condutor, admitiu o erro. Eu assisti, sem dizer uma palavra. No final, quando a insistência do condutor para que a multa não fosse passada já estava a tornar-se ridícula, apeteceu-me intervir. E disse "Assistir a uma manobra perigosa sem a impedir, e depois cobrar dinheiro ao infractor, é a noção de pedagogia da Polícia. É pena. Pensei que a Polícia tivesse outras funções.". Até hoje, a multa não foi enviada para a morada do infractor. Aquela agente será das poucas pessoas que não têm medo de perder o emprego? Não me parece. :)sofia
</a>
(mailto:blogsofia@sapo.pt)
De Anónimo a 18 de Novembro de 2005 às 10:07
Sofia, não achas que, por vezes, fazer um trabalho (o único que a pessoa arranjou e que detesta) seguindo as regras dessa mesma função e que lhe são exigidas pelos patrões, é uma forma de ela sentir o seu trabalho mais dignificado? E de não o perder? M
(http://www.fotoescrita.blogspot.com)
(mailto:mmrg@clix.pt)
De Anónimo a 18 de Novembro de 2005 às 00:03
Lamechas? Achas? :)))sofia
</a>
(mailto:blogsofia@sapo.pt)
De Anónimo a 17 de Novembro de 2005 às 17:15
(Ohhh.. eu adoro constelações, o Pai Natal e post's lamechas!!!) :) Beijinho*Milocas
(http://pipokinhacomsal.blogs.sapo.pt)
(mailto:amoraselvagem@sapo.pt)

Comentar post