origem

Mail me

blogseve@gmail.com

Posts Recentes

Ossian

E por vezes

Liberdade?

Conselhos para todas as f...

Pois...

La femme comme il faut

Da divindade

Dos dias

My Panama Papers

Do vazio

Blogs especiais

Arquivo

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2015

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Detector de movimentos

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Sábado, 22 de Dezembro de 2007

Salto alto, ainda se admite. Mais do que isso, já é abuso.

 

Aventurei-me no mundo das mulheres.

Deu mau resultado.

 

Agora tenho umas botas com salto agulha.

E o pior, é que gosto delas.

 

...

 

Meu Deus, tenho de pôr termo a isto...

 

A seguir virá o quê? Uma saia, não?! E brincos, rimel, cabeleireiro, passar a vida a dizer que os homens são todos iguais e que não prestam?

 

E depois... adeus imparcialidade para defender as mulheres...

 

Estaremos perdidas!

 

Sim, porque os homens são todos uns brutos e se não existir alguém para defender as mulheres, vão aproveit...

 

Eu disse "brutos"? Enganei-me! São uns queridos!

 

E eu continuo muito imparcial. São só umas botas.

 

publicado por S às 16:53
link do post | comentar | favorito
29 comentários:
De M a 23 de Dezembro de 2007 às 13:00
Vim visitar-te e deixar um abracinho natalício. Um bom ano de 2008 para ti.
De S a 23 de Dezembro de 2007 às 17:07
:)
Obrigada, M.
Igualmente.
De Jaime a 23 de Dezembro de 2007 às 18:14
«Eu disse "brutos"? Enganei-me!»

Pois claro que te enganaste! Nem todos são brutos. Nem podia ser. Com tantas defeitos que há, porque é que os homens haviam de só ter um? Há os brutos, os egoístas, os os irresponsáveis, os insensíveis, e - pior de tudo - os comprometidos. Não há nada pior do que conhecer um Brad Pitt meigo, carinhoso, sensível, inteligente, com sentido de humor, e quando lhe olhas para a mão... uma aliança! :-)

Então como está a tua agenda no que toca a assuntos de cafeína? :-)
De S a 23 de Dezembro de 2007 às 19:12
:))
Jaime, uma aliança no dedo de um homem pode ser associada a muitas coisas.
Mas, seguramente, não a inteligência...

Estou à espera que me ofereçam uma, no Natal.
Uma agenda, claro! A minha agenda. :)
De Jaime a 23 de Dezembro de 2007 às 19:54
Quando a menina é a certa, é inteligente envolver um par de aliança na relação. Mas isso é algo que se decide com o coração, não com a inteligência. :-)

Vá lá, não fujas ao assunto: esse café é onde e quando? ;-)
De S a 23 de Dezembro de 2007 às 22:23
E o que é isso de ser a menina certa?
E se ela é certa no início e depois atrasa, ou adianta?
E se depois aparece outra ainda mais certa que a anterior, face ao atraso desta última? Faz-se o quê, com a aliança? Diz-se "Olha, já não me serve. Devo ter engordado."?

O coração é muito mais inteligente do que as pessoas pensam, Jaime. Mas isso da aliança, tem muito que se lhe diga. :)

A parte a reter do "Bora lá tomar um café", é apenas que eu tomaria um café contigo. :)
Nunca vou tomar cafés quando sou eu a convidar. O meu orgulho masculino fala sempre mais alto. E eu convidei primeiro. :)
De Jaime a 23 de Dezembro de 2007 às 23:42
Ai que a Sofia é complicadinha. :-)

«E o que é isso de ser a menina certa?»
Não sei. Também não me preocupa saber. Quando ela aparecer, hei-de o sentir. Posso tentar definir, para ti, o que é a "menina certa", mas vão sair sempre umas palavras insípidas que não te vão deixar satisfeita.

«E se ela é certa no início e depois atrasa, ou adianta?»
Gostei dessa analogia do atrasar/adiantar e do trocadilho com o "certa". :-)

«E se depois aparece outra ainda mais certa que a anterior, face ao atraso desta última?»
Não faço ideia se essa situação pode acontecer, o que fazer se acontecer, etc. Mas acho que aplica-se a "filosofia do atravessar a rua": quando atravessamos a rua, há sempre um risco (pequeno) de sermos atropelados, mas não deixamos de atravessar a rua por causa dele.

«Mas isso da aliança, tem muito que se lhe diga.»
Não sei. Nunca estive numa peça em que a aliança estivesse prestes a entrar em cena. Gosto de pensar de uma forma muito linear nisso: se sentimos que estamos com a pessoa certa, a aliança surge com naturalidade e sem complicações. Se calhar é irrealista, mas é uma das coisas giras em mim: este purismo sem as complicações em que nos embaraçamos ao longo da vida.

«Nunca vou tomar cafés quando sou eu a convidar. O meu orgulho masculino fala sempre mais alto. E eu convidei primeiro.»
Estou a ver. Não, na verdade não estou a ver. Parece-me que tens o "complicador" ligado. A coisa parece-me tão mais simples: queres ou não conhecer-me pessoalmente? Se quiseres, deixa para trás as complicações e marca o dia e a hora.

Gostava de te mostrar este post (http://jaimegaspar.blogspot.com/2006/05/dirio-de-uma-compra.html) do meu blogue sobre uma complicação minha. Já agora: acabei por não gostar do livro e por não o ler todo.
De S a 24 de Dezembro de 2007 às 00:17
:)
Não sei se a minha resposta vai caber num comentário, apenas. Vou tentar ser concisa (além de complicadinha, claro. tenho imensas qualidades, sabes?). :)

"Ai que a Sofia é complicadinha"

Estás a brincar, certo? Não concluiste isso só agora, pois não? :)

"Não sei. Também não me preocupa saber. Quando ela aparecer, hei-de o sentir. Posso tentar definir, para ti, o que é a "menina certa", mas vão sair sempre umas palavras insípidas que não te vão deixar satisfeita."

Também não é preciso exagerar... :)

"Gostei dessa analogia do atrasar/adiantar e do trocadilho com o "certa"."

Fico sempre sem jeito com coisas destas. Portanto, não vou responder. :)

"Não faço ideia se essa situação pode acontecer, o que fazer se acontecer, etc. Mas acho que aplica-se a "filosofia do atravessar a rua": quando atravessamos a rua, há sempre um risco (pequeno) de sermos atropelados, mas não deixamos de atravessar a rua por causa dele."

Sabes que o risco diminui se nunca atravessares ruas, não sabes?
Agora associa atravessar a rua, a usar aliança... :)

" Se calhar é irrealista, mas é uma das coisas giras em mim: este purismo sem as complicações em que nos embaraçamos ao longo da vida."

Jaime: a aliança é, ou pode tornar-se uma complicação. Acredita que não muda nada. Não existindo, não complica nem deixa de complicar. Existindo, pode complicar. A aliança é o acessório, numa relação. E o que importa, não é o acessório. É o básico.

"Estou a ver. Não, na verdade não estou a ver. Parece-me que tens o "complicador" ligado. A coisa parece-me tão mais simples: queres ou não conhecer-me pessoalmente? Se quiseres, deixa para trás as complicações e marca o dia e a hora."

Da mesma forma, o básico, aqui, é o conteúdo. Não a forma. E, basicamente, eu já te conheço. :)

"Gostava de te mostrar este post (http://jaimegaspar.blogspot.com/2006/05/dirio-de-uma-compra.html) do meu blogue sobre uma complicação minha. Já agora: acabei por não gostar do livro e por não o ler todo."

Lamento, mas estás a dar-me razão. O teu primeiro impulso, foi o mais correcto. Quando as coisas acontecem de uma determinada forma, não adianta tentar contorná-las. Talvez exista um motivo para eu ser "complicadinha". Posso apenas estar a agir da forma que considero mais correcta e não conseguir explicá-lo de uma forma mais "simples", ou não conseguir mesmo explicá-lo de todo.

Já te desejei um bom Natal?
:)

De Jaime a 24 de Dezembro de 2007 às 00:39
«Sabes que o risco diminui se nunca atravessares ruas, não sabes?»
É verdade. Mas se não atravessar, nunca vou a grande lado. Seguro, seguro, é nem sair da cama de manhã. Mas não é grande vida, pois não?

«Jaime: a aliança é, ou pode tornar-se uma complicação. Acredita que não muda nada.»
Estou a ver. Nunca tinha pensado nessa forma. Sempre pensei no casamento como ainda mais uma aproximação entre duas pessoas já tão próximas que não sabem como se aproximarem mais, apesar de o desejarem como se tivessem vales e montanhas de distância entre elas.

«"[...] Se quiseres, deixa para trás as complicações e marca o dia e a hora."
Da mesma forma, o básico, aqui, é o conteúdo. Não a forma. E, basicamente, eu já te conheço. :)
»
Desculpas. Marca lá o dia/hora!

«Já te desejei um bom Natal?»
Não. Podes desejar-me quando estivermos a consumir cafeína líquida. Eu não te desejo bom Natal senão nessa altura. :-)

PS. Na barra direita do meu (magnífico) blogue há um endereço de e-mail, que não escrevo aqui por razões técnicas (que têm a ver com programas que navegam a Internet à caça de endereços para enviar spam).
De S a 24 de Dezembro de 2007 às 11:03
:)
Não é uma questão de segurança. Apenas de evitar complicações.

Um suicidio em conjunto seria o supremo, não? :)

Ok, eu admito: sou muito tímida. :)

Se desejarias nessas circunstâncias, é porque desejas, mesmo sem elas. É-me suficiente saber isso. :)

PS: (Estás a ver? Se te conhecesse pessoalmente, nunca te daria uma resposta destas. Deixaria de poder brincar contigo desta forma.) O que tu queres sei eu! :)
De Jaime a 25 de Dezembro de 2007 às 00:22
Não recebi o teu e-mail, que de certeza absoluta enviaste, pelo que só se pode ter extraviado. Aguardo então o reenvio. :-)
De S a 25 de Dezembro de 2007 às 01:43
:)
Persistente!
Espécie rara. :)
Não sei se já reparaste, mas temos ideias muito semelhantes sobre vários assuntos importantes. Logo, comigo nunca aprenderás grande coisa. :)
Não achas melhor reconsiderar?
De Jaime a 25 de Dezembro de 2007 às 12:32
Reconsidero quando receber o teu e-mail. :-)
De Jaime a 26 de Dezembro de 2007 às 18:20
Sofia, ainda não recebi a mensagem. Era para enviar mesmo por e-mail, não por correio normal. :-)
De S a 26 de Dezembro de 2007 às 18:31
:))

Ai era?!!!
Desculpa! :)

Agora vais ter de continuar a escrever aqui coisas deste género, caso contrário, toda a gente vai ficar a saber que já te enviei o raio do e.mail. :))
De Jaime a 26 de Dezembro de 2007 às 21:05
Cara Sophie, não recebi e-mail nenhum. A sério. Peço-lhe que faça o obséquio de tentar jggjgg[arroba]clix[ponto]com.

Bem, recebi vários e-mails, mas a vender Viagra e coisas dos género. Não que eu precise, mas curiosamente todo o aldrabão online pensa que sim! Não sei porquê. Serão boatos! Calúnias! A senhora da farmácia que fala demais?

Será que és daqueles infeliz dos quais, por uma razão ainda por descobrir, não recebo os e-mails (e sim, o mundo gira em torno de mim - é a chamada teoria jaimecêntrica).

Ninguém lê estes comentários. Sem ofensa, mas as pessoas têm mais que fazer. Tirando aquelas que não têm vida própria. E tirando nós. E tirando a CIA e o FBI. E alguns elementos da PJ que eu tramei no passado. De "modos" que até podes confessar aqui os teus desejos mais loucos. Claro que toda a gente já sabe que eu sou um deles, pelo que passa aos seguintes.

Agora vou beber um copinho de leite, aplicar os cremes de beleza e dormir o meu soninho. Ops, quer dizer, agora vou para os bares engatar todas as loiras com pernas de pelo menos um metro. Aplicando a teoria OMWOana: começo com «Vai-me mas é buscar uma cerveja!» e acabo com «Vê lá se não queres que te parta essa cara lindinha!». Elas não resistem. Nem te consigo dizer quantas vezes estive quase a ser violado por elas à porta do bar. Ai, esta vida de garanhão dá cabo de mim...
De S a 26 de Dezembro de 2007 às 22:11
Ok

KO :)

Vou então enviar um e.mail para jggigg@clix.pt!

...


AHHH! Desculpa! Não era para escrever o endereço, pois não? :))
De S a 26 de Dezembro de 2007 às 22:26
Ainda bem que me enganei!

Não era ponto pt.
Era iggjgg@clix.com!
:)
(não te preocupes. tem "i"s em vez de "j"s. eu sei que o correcto é jggjgg@c... got you!) :))
De Jaime a 26 de Dezembro de 2007 às 23:38
O erro foi meu: é mesmo ponto pt! O ponto com é o outro... Mil perdões! Não, trezentos e dezasseis perdões, é mais original e sempre fico com uns perdões para mim. Nunca se sabe quando posso vir a precisar. :-)

(O pouco de confusão fica sempre bem. É essa a minha desculpa. É como a noiva chegar ligeiramente atrasada ao casamento, mas com mais confusão.)
De S a 26 de Dezembro de 2007 às 23:45
O outro??
Qual outro?
Quantos são? São americanos? Os americanos já chegaram?

Quem é que se engana a dar um endereço de e.mail?
Ninguém se engana a dar um endereço de e.mail...
Tu trabalhas para os americanos?
Estavas a tentar enganar-me? O ponto com tem vírus, é?
Quantos vírus são? São vírus americanos?

(Estás a ver? Eu avisei-te! E isto não é nada! Às quartas estou sempre muito mais calma.) :)
De Jaime a 27 de Dezembro de 2007 às 00:03
Porquê os americanos? Há outros "tipos maus" no mundo. Por exemplo, os.. os... os aliados dos americanos! Aqueles americanos daquela ilha na Europa, como é que se chamam... É pá, os que têm uma rainha. Eles também são "tipos maus". Até tinham um primeiro-ministro que estava sempre a aparecer ao lado e um passo atrás do presidente dos americanos.

PS. Eu tenho muitos endereços de e-mail para dar a impressão de que recebo montes de e-mails, que toda a gente quer falar comigo, que todas as meninas me convidam para tudo. Mas na verdade só recebo spam. A anunciar Viagra. Há tempos recebi um e-mail do género "queres comer-me toda?!" e fiquei todo contente a pensar que alguma menina tinha finalmente sentido o meu infinito sex appeal. Mas depois li melhor e parece que a "refeição" não era grátis.

Jaime, o Grande
jggjgg[arroba]clix[ponto]pt
De S a 27 de Dezembro de 2007 às 21:44
E há os fundamentalistas islâmicos...

Não me digas que ainda não recebeste nada... :)
De JL a 23 de Dezembro de 2007 às 22:59
"Cada pessoa que passa pela nossa vida passa sozinha, mas não nos deixa só, porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós." Charlie Chaplin

Feliz Natal
De S a 23 de Dezembro de 2007 às 23:10
:)

Ex aequo.
De Jaime a 24 de Dezembro de 2007 às 00:42
"Cada pessoa que passa pela nossa vida passa sozinha, mas não nos deixa com tudo, porque deixa um pouco das suas dívidas leva um pouquinho do nosso dinheiro." Jaime :-)
De S a 25 de Dezembro de 2007 às 01:47
:)
Andas a deixar passar pela tua vida as pessoas certas, Jaime.
Partindo do princípio de que são só as outras que ficam. :)
De Hello! a 24 de Dezembro de 2007 às 00:42
....uau! ...é mesmo Natal!!! ... ja vi a neve e agora quero ver as botas! ...salto agulha... ...devem ser mortiferas... :-) :-) ...arrisco!
De S a 25 de Dezembro de 2007 às 01:45
Em troca de 5 kgs de neve, prometo que vou ver o que se pode arranjar...
Temos acordo? :)
De Hello a 25 de Dezembro de 2007 às 03:07
....acordo selado! 5kg de neve vs umas agulhas de verniz reluzentes!:-)

Comentar post